terça-feira, Junho 20, 2006

Com a Ferreirinha

O fim de semana é dado a abusos, ao descanso e ao encontro com os amigos. Nestes dias come-se e bebe-se. Relaxa-se. Às vezes de mais. Mas diabo, uma vida sem excessos não tem graça.
Peguei, mais uma vez numas garrafinhas, por sinal do mesmo produtor, e fui bebendo ao longo de Sábado e do Domingo. Como sempre partilho os meus rabiscos, os meus devaneios, a minha soberba. Aqui estão mais alguns apontamentos resultantes do meu encontro com a Ferreirinha. Opps, os termos escolhidos não foram os mais indicados. Mas adiante.
Vinha Grande 2001.
Cor densa. Uma postura aromática quente e doce. Madeira, frutos maduros e doces. Ameixas e amoras maduras. Compotas e chocolate. Senti em certos momentos aquele aroma a bombons de ginja. E mais uma vez doçura. Acredito que terá muitos amigos. Eu é que não serei um deles.
Boca doce, pessoalmente incomodativa. Muito fruto, chocolate e compota em primeiro plano. Directo. Levemente alcoólico. Apesar de tudo, a acidez conseguia aliviar um pouco o bombom que andava sempre a boiar no copo.
Não o apreciei e por muito que tente não consigo gostar dele. Gostos e manias!
Um vinho que é vendido perto dos 10€. Dizem os especialistas que tem boas capacidades de envelhecimento. Houve em tempos uma prova vertical feita pela Revista dos Vinhos. Não tenho mais nenhuma garrafa e tão depressa não irei comprar!
Nota Pessoal: 14
Callabriga 2000. Este é do Douro! Acho eu...
Um vinho que desceu ao Alentejo. Ainda estou para perceber qual foi a ideia. Sinceramente, a Sogrape conseguiu afastar-me deste vinho. No entanto, não me quis despedir dele sem ver o que me dizia. Queria perguntar-lhe se a viagem tinha sido boa, se estava a gostar dos calores do Alentejo. Pouco me disse. Devia ter a lição bem ensinada.
Aromas densos, mais uma vez a fruta madura, as compotas e o chocolate. Um estilo parecido ao Vinha Grande. No entanto, com mais robustez.
Na boca era frutado e chocolatado. Taninos finos, envolvidos pelo corpo, arredondado mas a precisar de uma acidez mais viva, mais vincada. Final algo curto e um pouco doce.
Mais um vinho bem trabalhado, que agradará a muitos consumidores. Melhor que o Vinha Grande, mas mesmo assim, não fiquei com pena que este representante desaparecesse da minha garrafeira.
Até à próxima, quem sabe se não vai haver uma colheita do Dão, feita na Quinta dos Carvalhais. Depois do Grão Vasco, ter ido ao Alentejo e agora estar no Douro, nada me admira! Não percebo nada destas técnicas de vendas.
Nota Pessoal: 14,5
Quinta da Leda 2000.
É um dos meus amores. Não digam nada à minha mulher.
Aroma muito rico, suave. Fruta fresca e flores juntas com sugestões de eucalipto. Impressão a esteva, restolho e mato. Alguma cera, verniz ou graxa. Chocolate preto com leite, amparado por suave tabaco. Tudo num tom de equilíbrio. Com elegância e distinção. Bem apresentado. Sem nada fora do sítio. Cativante e com complexidade.
Boca complexa, que entra com profundidade, enche devagar, sem excessos, sem forçar. Senti frutos pretos, o toque químico, a especiaria, o chocolate, bem como o tabaco. Fresco, sem nunca entrar em exageros. O final era fino e prolongado.
Um vinho bem conseguido, que começa a ser um exemplo de consistência, um porto de abrigo para quando não sabemos o que fazer.
Assumidamente gosto dos Quinta da Leda. Cada vez mais. Tenho em minha casa as colheitas de 1999, 2000, 2001 e 2003. Nunca falham e muito longe dos outros vinhos da casa Ferreirinha que eu bebi. Acompanhou dignamente um borreguinho assado nas brasas.
Nota Pessoal: 17

3 comentários:

Anónimo disse...

Viva! Quantos Leda, qual das colheitas prefere - ou e' como perguntar qual dos dedos prefere nao cortar? :)

Pingus Vinicus disse...

Se calhar o 1999. Se calhar o 2003. Se pudesse ficar com todos os dedos...

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!