domingo, junho 24, 2007

Loureiro

Assumidamente não sou um grande consumidor de vinhos verdes. É muito raro beber estes brancos. Um preconceito enófilo assumido várias vezes por mim (mais um). Uma vez por outra lá me atrevo comprar um alvarinho. O Deu-la-Deu é a (minha) escolha natural. De resto, poderei dizer que vivo num deserto (palavra que anda na moda).
Desta vez, arrisquei com um Loureiro. Um Solar das Bouças 2005 que acompanhou despreocupadamente umas enguias grelhadas nas brasas. Peixe característico em Alcochete. Petisco popular no passado, iguaria no presente. Um branco fresco, com sugestões de lima e calda de fruta a dominarem o espectro aromático. Na boca, com amplitude mediana que satisfazia o suficiente. O chamado vinho honesto que cumpriu seu papel. Nota Pessoal: 13,5

Post Scriptum:
Lembram-se do Muros Antigos Escolha do Anselmo Mendes? Um belo vinho que merece ser bebido até à última gota.


1 comentário:

Elvira disse...

Bem... Com um arroz de peixe à moda de Viana do Castelo não deve ficar mal, esse verde... :-)