quarta-feira, junho 20, 2007

Pequenas Quintas


Palavras, epítetos, como pequeno, pequena, nem sempre representam menos, pouco valor, insignificante, mesquinho. Por vezes, podem quer dizer; cautela, carinho. Quantas vezes chamamos aos nossos filhos: "pequeno, pequenote" como sinal de afecto?
Este vinho do Dão chamado Pequenas Quintas Reserva 2004 bem pode ser enquadrado nesta última definição. Temos, aqui, um vinho beirão que aparentemente beneficiou de bons cuidados na sua concepção, tanto na forma, como no conteúdo que apresenta.
Aromaticamente muito aprazível, cordato, perfumado. Cheiros a pedra, granito molhado, lousa, despontavam com firmeza marcando toda a prova. As flores sentiam-se, andavam por muito perto. Manchas florais que enriqueciam delicadamente um conjunto que tentou ser abrangente e elegante. Alfazema, hortênsia, cidreira, lavanda transmitiam uma aragem envolvente, cativante.
O toque de modernidade surge com o aparecimento de chocolate preto. Um rasgo de tabaco juntamente com a baunilha encerram um desfile de aromas, de sugestões interessantes que a memória se encarregava de guardar.
Na boca revela ter estrutura suficiente e equilíbrio. Acidez e taninos indicavam, ou melhor pediam um prato. Para beber acompanhado.
Aparentemente este vinho fará uma longa caminhada. Notava-se alguma segurança e solidez. A decadência, o declínio está ainda (muito) longe. Necessita, apenas, resguardar-se mais um pouco, alinhavar alguns pontos. É assinalável a classe que (já) demonstra e tem qualquer coisa dentro dele que é conhecida. Nota Pessoal: 16,5

Post Scriptum
: As saudades da escrita, da partilha, eram muitas. Demasiadas. Aproveitei um momento de acalmia, de serenidade para regressar. Ela perguntou-me porque não continuava escrever. Regressar à normalidade ajuda a ultrapassar as adversidades. Os temores continuam por perto, mas estão mais domados (acho eu). O medo inicial, o desconhecido, tinha uma dimensão quase sobrenatural. A fragilidade do ser humano é enorme.Post Post Scriptum: As flores são lá da terra. Nascem por meio das pedras.

11 comentários:

Anónimo disse...

Caríssimo:

Ainda bem que volta à escrita não só porque dela estamos todos necessitados, como também porque podemos presumir que "melhores tempos" aí virão.

Um Abraço
Blacko

Chapim disse...

Que se celebre com um belo tinto do Dão esta volta do nosso caro Pingus!

Que tudo melhore por aí calma e serenamente.

joão quintela disse...

E ainda bem que há estas flores que nascem no meio das pedras, não?

VinhoDaCasa disse...

:)

Pedro Sousa P.T. disse...

Entras sempre pela porta grande!!! Para estares a escrever, quer dizer que pelo menos a coisa não piorou, o que já não é mau.
Quanto a este vinho, e mais alguns que tu escreves, principalmente do Dão, raramente os vejo à venda no circuito comercial. É pena! Por exemplo, este fim de semana estive em Viseu, infelismente a correr, mas ainda deu um tempinho para ir ao Continente, e constatei, e não é a primeira vez, que esta grande superfície comercial é uma tristeza quanto à variedade de
vinhos desta região. Digo até que tem mais variedade de vinhos do Alentejo. Sendo Viseu a Capital dos vinhos do Dão, é de lamentar que seja assim.
Agora abriu o carrefour, tenho que lá ir para uma pesquisa. Abráços.
Continuação das melhoras da mais que tudo.

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Caro Rui

Fico muito contente com esta decisão.

Como dizia o meu Pai nuns escritos que encontrámos após a sua morte:

"... Chamem-me como sempre me chamaram.
Falem-me como sempre me falaram.
Não mudem o tom da vossa voz,
Não façam ar solene ou triste.
Continuem a rir daquilo que juntos nos fazia rir.
Brinquem, sorriam, pensem em mim,
rezem por mim...."

Espero que a tua Mulher esteja melhor e eu acredito que lhe dará forças ver que não alteraste o teu esquema de vida.

Um abraço amigo

Zé Tomaz

AJS disse...

Pode ser que seja um lugar comum, mas "que bem me fazes" "que prazer que nos dás".
Seguramente que a escrita te vai fazer bem. E a ela também. Um grande abraço. AJS

HS disse...

Por aqui passo muitas vezes anonimamente, procurando sugestões, cumplicidade de gostos, novas descobertas, momentos de novos prazeres, etc.

Senti que algo me ensombrava, entristecia com este "até um dia", felizmente com alegria vejo que este até um dia foi breve, sinal, espero eu, de que "bons ventos se avisinham".

Felicidades.

Pratas disse...

As minhas saudades também já eram grandes :)

Boa sorte para a vida!

Filipe Sousa disse...

É bom ter um amigo de volta!...

Pingus Vinicus disse...

Obrigado a todos pelas vossas palavras. É para mim uma enorme satisfação saber que tenho muitos amigos.