sexta-feira, junho 22, 2007

Regius 2005 (Alentejo)

Um vinho alentejano em que os couros, a camurça, o vegetal, nuances a casca de árvore envolviam-se timidamente com algum tabaco e baunilha. Sentia-se aquele toque quente, plano, característico da planície. Directo, correcto, limpo de aromas e de sabores, sem grandes complexidades ou desafios. Cumpriu a sua função.
Um vinho para acompanhar umas rodelas de linguiça, de morcela, envolvidas por uma grada fatia de pão de Almodôvar. Pão que mais aprecio. Ácido, amargo e que contrasta muito bem com a gordura do fumeiro. A minha mulher (alentejana) diz que é um pão complicado, que lhe falta alguma subtileza. Prefere o da Vidigueira. Terá razão.
Ainda no pão, desde pequeno que me habituei ao pão complicado, pobre, feito de centeio escuro, pouco afinado. Quando era trigo, preferia o de Poiares (uma aldeia de Freixo de Espada à Cinta). Enorme e de forma circular.
Quanto ao vinho, vale a pena provar pela curiosidade. Pouco mais. Serve essencialmente para aumentarmos o nosso portefólio de conhecimentos enófilos. Nota Pessoal: 13

Post Scriptum:
Monte do Limpo, Monsaraz.

3 comentários:

Elvira disse...

Que bom vê-lo de volta! :-)

Pingamor disse...

Bem vindo à comunidade, Rui.
Espero que sejam sinais de melhoras na tua mulher.

Anónimo disse...

Comentario tardio..estamos em 2008. pois descobri este vinho o Regius a 1,95 e mal provei fui logo comprar mais 20 garrafas. Nao vou usar termos para o descrever pois sou muito amador apaesar de ter 40 anos. Uso um termo meu: natural..é um vinho natural..descomplexado e fiel...uma relaçao que nao será para durar mas que é apaixonada...*
(Arménio, Alcoutim, Algarve)