segunda-feira, novembro 12, 2007

Corujão. Reserva de 2004

Depois de termos dobrado a festividade do São Martinho, onde nos juntámos em redor da mesa para enfiarmos no estômago uns quantos petiscos, regresso com alguns comentários sobre um mais vinho da Quinta Corujão (Dão). Um Reserva de 2004.
Um tinto que, tal como uma manhã outonal, acordou ao coberto de cheiros frios e húmidos (Notei que andavam por ali sugestões a pedra molhada, a lagar, a quelhas), com uma intensa sensação floral. Usando mais uma das minhas hiperbolizadas comparações, atreveria-me a dizer-vos que alguém teria colocado no jarro ao lado um farto molho de flores viçosas, regado pelo orvalho matinal. Com mais ou menos desvio, andou sempre longe da fruta madura, nunca tocando no doce, na força, no exagero. Quando surgia, ela era silvestre e fresca. A evolução, apesar de lenta, permitiu que o vidro fosse aquecido com um pouco de grão de café humedecido em cacau. Uns quantos paus de canela deram aquele toque mais especiado, tornando-o mais universal.
Os sabores eram, tal como os aromas, frescos (Perdoem-me a constante repetição da ideia) e silvestres.
Um vinho original e diferente e que merecerá uma nova prova (Não está ainda no mercado). Para já, digo-vos que foi bebido, quase, sem se notar. Nota Pessoal: 15,5

8 comentários:

Pedro Guimaraes disse...

Caro Pingus..

Gosto bastante deste produtor....bons vinhos plenos de identidade (beira) e bons precos...
Ja provaste o G.E. 2004 do mesmo produtor? Comprei umas quantas mas ainda nao abri nenhuma...ando curioso, mesmo impaciente!!!

Abracos
Pedro Guimaraes

Pingus Vinicus disse...

Caro Pedro, pessoalmente fizeste um excelente compra com os G.E. 2004.

De facto, estamos perante um produtor que apresenta vinhos de boa qualidade e, como dizes e bem, com uma identidade muito própria.

Gus disse...

Ainda lá tenho uma garrafa de Quinta do Corujão, reserva, 2000.
Deve estar em boa altura para a a abrir?!

Pingus Vinicus disse...

Gus, por acaso esse Reserva não foi um vinho que levou o epíteto de "Grande Vinho do Dão"?

Pedro Guimaraes disse...

Penso que nao...
Ainda tenho um garrafa desse Grande Vinho do Dao da Quinta do Corujao e se bem me lembro nao e o reserva. Diz mesmo no rotulo Grande Vinho do Dao. Abri uma a cerca de um ano e infelizmente nao estava em grande forma: algo delgado e curto no final. Se calhar era uma garrafa off, nao sei...
Vou abrir a ultima assim que tiver oportunidade...

Abracos
Pedro Guimaraes

Pingus Vinicus disse...

Pedro, por acaso ainda possuo uma garrafinha desse "Grande Vinho do Dão". Pertence literalmente ao lote de vinhos que ficam esquecidos.

Um abração

Anónimo disse...

Encontrei à venda algunas garrafas deste vinho mas fiquei com a dúvida seguinte: o reserva 2000 é mais caro que o garrateira 2000?
Qual é o valor actual no mercado?
Obrigado.
sousa-j@iol.pt

Pingus Vinicus disse...

Caro anónimo, efectivamente o Reserva é mais caro que o Garrafeira. Sobre preços, eles andarão entre os 10€ e 15€.