quarta-feira, julho 09, 2008

Encosta Longa Reserva (Branco) 2007

As castas são Síria, Malvasia Fina e Fernão Pires. Posso-vos dizer que é curiosa esta combinação. Não recordo nenhum vinho com esta mistura. Quando penso em vinhos brancos do Douro, penso necessariamente em outras castas, noutras miscelâneas.

Avancemos, portanto, para a dissecação do vinho (que é fermentado em barricas).
Na primeira abordagem, passou pelo nariz um (ligeiro) toque petrolado, que se foi apagando com suavidade. Serviu, na minha opinião, para esclarecer sobre o tipo de coisa que estava dentro do copo. Não seria mais um branco (nem podia ser, pois custa sensivelmente 17€). Adiante.
Com o desvanecer daquelas notas petroladas, sou surpreendido por uma sensação mineral bem conseguida. Eram cheiros a calhau rolado, a pedra fresca.
O vegetal (erva ribeirinha, erva fresca) surgia bem combinado com a tal impressão mineral, reforçando a frescura do vinho, tornando-o vivo e húmido (até este momento não tinha olhado para a madeira).
E a fruta? Bom, esta estava madura, saborosa a pedir para ser trincada. Era laranja, toranja, meloa, maçã. Tudo bem amparado por uns valentes alperces.
O vegetal aparecia novamente, mas agora, em forma de folha de figueira e feno, transmitindo um ar mais seco, talvez mais austero.
E a madeira? Fiquei admirado pela sua boa utilização. Em momento algum, ela foi a intérprete principal. Estava ali, apenas, para enriquecer o vinho, dando-lhe maior complexidade, tanto nos aromas, como nos sabores (disponibilizando os inevitáveis frutos secos).
Na boca era fresco, com um prolongamento muito interessante, surpreendendo pelo equilíbrio que mostrou.
Por cada gole que dava, aumentava a vontade em dar outro. A fruta, o mineral, o vegetal e a madeira estavam bem misturados. Untuoso.
No final largava um rasto gostoso. Suficiente para não esquecer-me dele. Gostei francamente. Nota Pessoal: 16

Post Scriptum: O apoio técnico é feito através da empresa G&R Consultores.

4 comentários:

Anónimo disse...

Também me convenceu este branco, que encontrei no Gourmet do Corte Inglês sobretudo se pensar que já paguei muito mais por outros brancos (portugueses) onde não vi nada de mais. È mais um ilustre desconhecido, mas dá para ver que há ali mão de enólogo muito competente pelo equilíbrio entre a fruta e a madeira.

Pingus Vinicus disse...

Caro anónimo, estou completamente de acordo.

Padrefrancisco disse...

Vim ler a tua opinião porque encontrei o vinho à venda na feira de vinhos do Intermarché. A 14,49€, "Arrium Porrium".

Depois de tudo o que escreveste dás uma nota de 16? Continuas forreta, catano!

Abraço,
PF

Pingus Vinicus disse...

E não consigo soltar-me dessas amarras. Dizem que é por ser prof. de matemática. Continuando na escola, 16 valores é uma nota do caraças.

Um abração.