quarta-feira, Julho 16, 2008

Lisa Rosé 2007


Meto-me, outra vez, por entre rosés. Voltei a escolher um que veio das Terras do Sado, proveniente de Catralvos, elaborado a partir de uma combinação entre a Touriga Nacional e a Syrah.

Bom, o que apetece dizer sobre ele? Em termos gerais, é um vinho que toca (em demasia) naquele lado doce, gelatinoso. Esta foi a melhor definição que encontrei para caracterizar o vinho. Forte sensação a gelatina de morango ou de framboesa. Este envolvimento açucarado aumentou de intensidade com a impressão a geleia. Reforçava, apenas, o ar pegajoso e espesso. Nem umas fugazes notas de hortelã conseguiram aliviar toda esta pressão.
Os sabores tinham intensidade muito mediana e não fizeram mais do que confirmar os cheiros. Nem mais, nem menos. Gelatinas e geleias.
Acompanhamento? Decididamente um vinho para sobremesa, para acompanhar uma tarte de morangos, de amoras, de framboesas ou coisa que o valha. A título pessoal, é um vinho muito doce e que abusa em demasia do açúcar, para além de ser chato. Para beber muito, muito fresco.
Não fiquei convencido, no entanto acredito que seja um estilo. Não é o meu. Nota Pessoal: 12

4 comentários:

Pratas disse...

O tinto é igual, doce demais, enjoa um pouco. Para quem não costuma beber vinho, até o acha muito bom, porque é doce.

Gus disse...

Caro,

Também ando numa fase de brancos e rosés, mas estes rosés demasiado doces, quase enjoativos, em que as notas de 'rebuçado' abundam, deixam-me absolutanmente enfastiado.

Valter Costa disse...

Acho que está na altura dos produtores apostarem em rosés sem serem enjoativos. Começo a não ter paciência para eles. Aquilo é só acuçar.

Copo de 3 disse...

Gosto mais do Compal Sumo de Romã com chá verde.