quinta-feira, Dezembro 04, 2008

Catralvos Moscatel (Setúbal) Superior 2003

Acabou a garrafa. Andava a ser desbastada com enorme lentidão, sempre ao fim do jantar.
Trouxe-a para casa pela curiosidade, pela novidade, pela necessidade de conhecer mais um vinho. O rótulo e o contra-rótulo ostentam a designação Superior, o que não quer dizer, necessariamente, melhor. Enquanto era bebido, recordava-me do Moscatel Superior Dona Ermelinda 2000. Este Catralvos Superior apresentou inúmeras semelhanças na cor e no sabor. Tendencialmente carregado na cor. Com aromas e sabores relativamente simples, com forte inclinação para as sensações (demasiado) doces, bastante meladas, que conseguem, com muito esforço, serem refrescadas pela raspa de laranja e tangerina. Baixo nível de frescura (outra marca). Depois surgiram os frutos secos e aqui e além um rasgo de canela. Nada mais.
Outro aspecto importante: a necessidade de controlar a temperatura, evitando que suba em demasia. Só assim se consegue tirar o melhor partido deste tipo de moscatéis, evitando que se fique enjoado (em excesso).
Segundo o que se lê no contra-rótulo, esteve durante cinco anos em cascos de carvalho.
Existem no mercado propostas mais interessantes que este Moscatel Superior. De qualquer modo, consegue apresentar um preço bem mais decente que o congénere da Casa Ermelinda Freitas, que é estupidamente caro. Nota Pessoal: 13,5

2 comentários:

Anónimo disse...

"De qualquer modo, consegue apresentar um preço bem mais decente que o congénere da Casa Ermelinda Freitas, que é estupidamente caro"

Parece-me um pouco duro, a sua opinião.

Não quer não compra, não gosta não faz mal á quem goste e ache um preço aceitavel.

Um Abraço
Lc

Pingus Vinicus disse...

Caro Lc, estou completamente de acordo com a sua opinião.

Um abraço