segunda-feira, Abril 27, 2009

Dão (Terras do Mendo e Quinta Mendes Pereira)

Nutro carinho pela região. Por caminhos enviesados acabei por interessar-me pelos vinhos do Dão. Cheguei a colocar tudo de lado para dedicar-me de corpo e alma ao que ia saindo destas vinhas encalhadas por entre pinhais, quintais, lameiros e montanhas. Tive enormes dificuldades para gostar outros estilos. As diferenças eram enormes. Agora, ridiculamente, vejo-me a boiar num mar de vinhos vindos de outros lados.

Terras do Mendo Colheita 2007, um autêntico desconhecido repleto de cheiros vegetais, onde a árvore, a caruma e o restolho verde marcavam o perfil deste tinto. As sensações largadas pelo vinho estão tingidas de aromas a floresta. Saltava à vista a humidade, a pedra escorrida. A fruta, que surgia pela frente do nariz, tinha nascido por entre troncos, por entre as frestas dos muros, dos empedrados. Em certos momentos, notava-se qualquer coisa de clássico, de rústico.
O sabor era vivo, balsâmico em toda a largura. Taninos vivos. Acidez irrequieta. Final seco.
Havia algo de diferente, algo de antiquado. Nos tempos que correm, começa a ser raro descortinar prazeres destes. Nota Pessoal: 15,5
Quinta Mendes Pereira Touriga Nacional Reserva 2005. Mostrou-se sisudo, fechado. Pouco expressivo na forma como se apresentou. Austero, quase cinzento. Mais uma vez a modernidade inócua não tinha lugar. Repetem-se impressões passadas, recortes de coisas antigas.
Os aromas vegetais eram dominadores. A humidade e o lagar surgiam no copo, também, de forma evidente. A fruta macerada (não sei o que é, apenas achei graça ao termo) aliviava a pressão e transmitia doçura ao tinto.
O paladar surgia envernizado, tendencialmente químico, vinoso e com (muita) acidez. Com enorme predisposição para acompanhar a comida. Percebia-se que a juventude (ainda) ditava as regras. Tinha de evoluir, de amadurecer. Nota Pessoal: 15,5

Dois exemplos que levam o nariz e a boca para épocas tendencialmente perdidas. Dois exemplos de potencial anacronismo. Dois exemplos de vinhos pouco populares. Dois vinhos que tenho de ter em casa. Valeram pela diferença. Provavelmente foram pontuados de forma apaixonada (apesar de terem sido bebidos às escuras). De qualquer modo, seria curioso assistir ao desenlace das suas vidas.

6 comentários:

Gus disse...

Carissimo,

Provei este Quinta Mendes Pereira, bem como o restante portefólio da Quinta na última edição do Dão, Vinhos e Gourmet.
Não conhecia os vinhos da Quinta Mendes Pereira e também senti 'esse recorte de coisas antigas'.
Vamos esperar para ver como evoluem estes vinhos.

Miguel Pereira disse...

Rui,

onde os compraste e já agora, quanto custam?

Abraço

Pingus Vinicus disse...

Miguel, não os comprei. Provei-os numa prova. :)

Depois levei quase meia garrafa para casa e acabei com eles alone. :)

Copo de 3 disse...

És um autêntico finisher...

Paixão do Vinho disse...

Terras do Mendo, qual é contacto do produtor??

Pingus Vinicus disse...

Tente este contacto: terrasdomendo@gmail.com