terça-feira, Dezembro 01, 2009

O outro Dão!

São seguramente vinhos do Dão que estão longe das luzes da ribalta. Ser parte integral de uma região que não pertence, seguramente, ao lote dos favoritos (ainda joga em campeonatos secundários) e, mesmo assim, tentar vencer na vida por vias alternativas, acredito que não deve ser tarefa fácil. São vinhos pouco frequentados. São, de certeza, vinhos sombrios e, quiçá, ignorados. Esquadrinhei os meandros da minha memória e não consegui enxergar qualquer presença deles fora das exíguas fronteiras do Dão. Vivem apenas confinados aos circuitos regionais baseados, quem sabe, nas frágeis correntes de amigos.

Para um enófilo, acabam por ser pérolas de valor inestimável. Possibilitam-nos perceber, compreender, interpretar outras visões, outros olhares sobre o assunto. Depois percebemos que existe vida para além da cosmética e que algumas rugas podem dar mais carácter.

Não querendo perder tempo com mais considerações vagas e sem sentido, partilho com vocês o nome dos ditos:
O
Abrigo da Passarela Touriga Nacional 2007. A antiga Casa da Passarela mudou de dono. Vai ser obra dura e hercúlea recuperar uma casa com enorme história. Sóbrio e vegetal.
Tazem Reserva 2005
. Depois de um período de afastamento pessoal, regressei com força. Estão a surpreender, e muito, os vinhos produzidos na COOP de Tazem. Linha vegetal, com fruta silvestre, caruma e humidade.
Finalmente um medalhado. Quinta das Camélias Touriga Nacional 2007. Floral, mas distante de intensidades desmedidas. Limpo, alegre e saudavelmente ligeiro.

Em comum a secura, a brandura (tão esquecida) e, aqui e além, umas benéficas arestas.

15 comentários:

Miguel Pereira disse...

Rui, onde tu arranjas estas pérolas? Também os queria conhecer!

Pingus Vinicus disse...

Miguel adquiridos na zona, nos Intermarché, nos super, em lojas de comércio tradicional.

Joel de Sousa Carvalho disse...

Rui,

A casa da passarela tá em boas mãos agora...O dono tem bom dinheiro para recuperar aquilo não te preocupes :), e se aproveitar os enólogos quem tem em consultadoria (Vines & Wines), poderá fazer coisas engraçadas.

Um abraço

Pedro Rafael Barata (Blog Os Vinhos) disse...

O especialista nos vinhos mais escondidos do Dão.. :)

Abraço!

Pingus Vinicus disse...

Joel eu sei que o dono "tem dinheiro" e que a Vines&Wines faz a consultadoria à antiga Casa da Passarela :)
Resta saber se vamos ter vinhos diferenciados ou iguais a tantos outros. É aqui que iremos ver se a quantidade de dinheiro é suficiente para arriscar num projecto diferente.

Joel de Sousa Carvalho disse...

Rui, também não duvido que o soubesses:), mas ok

Sim, tens razão, por vezes o dinheiro não tem grande influencia, mas só para a frente é que se irá constatar isso. Pois, agora sobre o Vines... Talvez fiquem, não digo iguais, mas parecidos a muitos outros...

Um abraço

Antonio Madeira disse...

Ola Rui Miguel,


Os vinhos da coop. de VN Tazem tambem me têm surpreendido pela positiva.

Onde fica a Quinta das Camélias?

O Passarela so provei o rosé, no verao a noite, na festa de Gouveia. O produtor tinha la um stand, mas o representante nao deixo provar o TN. Fiquei chateado e nao lhe comprei nada, apesar de estar curioso em relaçao ao vinho.
Nao sei quem foi burro na historia, mas ficamos ambos a perder...

Abraço

Pingus Vinicus disse...

António, não é a primeira vez que no stand da Passarela, nas festas de Gouveia) que me é recusado um vinho. Aliás, o senhor que por lá pontifica é de uma simpatia atroz. Vão longe deste modo.

Pingus Vinicus disse...

António, vê aqui http://www.infovini.com/pagina.php?codNode=32238

Antonio Madeira disse...

Bem haja, Rui Miguel :)

Abílio Neto disse...

Rui,

Encomendei ontem Tazem 01 Jaen, isso ainda está bebível? Bebeste ou tens bebido?

Abr.,

An

Pingus Vinicus disse...

Abilio, faz tempo que não bebo.

Anónimo disse...

Há anos bebi com um grupo de amigos um Morgado de Silgueiros 2003 da Coop. de Silgueiros que foi um caso sério.
Aqui, pela zona de Lisboa perdi o rasto a vinhos desta adega.
Alguém conhece ou pode confirmar se continuam bons ?
Entretanto ouvi dizer que encareceram, mas não tenho pistas.

Um gourmet de meia tigela

Emilio disse...

Olá Pingus e olá tud@s. Disculpem o meu português e a extensÂo do meu comentário.
Desejo partilhar nesta conversaçao. Nâo conheço do Dâo mais que os vinhos das adegas de Mangualde e de Penalva do Castelo, mais quando conhescei, bém pode-se dezir que fora uma muito agradável surpresa. As Garrafeiras de 2003 (Mangualde) e 2004 (Penalva) parescéram-me auténticos canhôes de sabor, os Reservas (2001 Mangualde e 2005 Penalva) gostáram-me também, e os monocastas (TN aínda mais) sâo de alta qualidade. Eu nâo serei quem pense que DOC Dâo té que jogar na "Segunda Divisâo dos Vinhos".
Saudaçoes,
Emilio

Pingus Vinicus disse...

Olá Emílio, a título pessoal, acredito cada vez mais que o Dão deve apostar na diferença e não incorrer no risco absurdo de fazer vinhos do Douro/Alentejo que nunca serão o Douro ou Alentejo.

Parece-me perfeitamente possível modernizar as gamas de entrada de modo a introduzir o consumidor e ao mesmo tempo personalizar, diferenciar os vinhos de gama média-alta e alta.