domingo, março 07, 2010

Madeira Blandy's Bual 1971

Não vou perder tempo com considerações. Trata-se, apenas, do retrato de mais uma ocasião em que tive a sorte de mamar mais um vinho da Madeira.
Aromas (e sabores) ácidos que nunca vergaram e nem esmoreceram.  Cheiros de maracujá, tangerina e laranja. Impressões iodadas, madeiras envernizadas. Soalhos encerados. Café, muito grão de café, temperado com canela e acompanhado pelo fruto seco. Depois descansei, pois andava por lá muita coisa que não tinha qualquer enquadramento.

O paladar mostrava uma vivacidade enorme, quase desmedida. A acidez, alta, palavreava para quem ouvisse que não estava ali para morrer num ápice.
No desfecho, aquilo que ficava na boca, vinha revestido de muitas sensações incapazes de serem descritas e redigidas. Nota Pessoal: 18

É, literalmente, mais um vinho para beber até ao último escorropicho.

5 comentários:

Rui Lourenço Pereira disse...

Mamar!?!?!?

Pingus Vinicus disse...

mamar = emborcar, ingerir com avidez.

João Filipe Clemente disse...

Eu que ando apaixonado pelo Henriques 15 anos Boal, fiquei querendo mamar também!!!

Rodrigo Campos disse...

Gostei do seu blog.
Iniciei com um amigo um blog semelhante, talvez você possa conferir e nos indicar, se gostar.
Abraço,

Rodrigo
esseeutomei.blogspot.com

Pingus Vinicus disse...

João, tenho ando com uma sorte danada com os Madeiras que tenho andado a emborcar. ehehe

Não te falo é do preço, que metem medo ou não me dizem...