segunda-feira, abril 26, 2010

Pera Manca para temperar, Primus para beber

Levei ao máximo uma prática culinária: Quando se usa vinho na comida, ele tem de ser bom! Foi isso que fiz para regar um portentoso pargo. Depois de ter sido provado e chumbado, na prova, o vinho foi usado para têmpero.

O pargo estava a precisar de qualquer coisa, e pareceu-me ser fantástico banhá-lo com um Pera Manca Branco de 2006. No momento em que o líquido chapinhava por cima da carcaça do animal, dei-me conta da importância do acto. Tinha que ficar registado em foto. 

O bicho, esse, ficou no ponto e acompanhou na perfeição com outro branco, do Dão, também de 2006. Este estava bem mais requintado, bem mais equlibrado. Um vinho que revelou um comportamento educado, com muita sauvidade e elegância. A fruta e a madeira pareciam a estar em núpcias. Tudo em puro equilibrio e em estado de graça. Nota Pessoal: 17

9 comentários:

Miguel Pereira disse...

Belo Dão.
O Pêra-Manca foi desilusão.

Rodrigo Campos disse...

Pode ter sido desilusão, mas acho que para o tempero do peixe ficou bom...

Rodrigo
esseueutomei.blogspot.com

Pedro Sousa P.T. disse...

Será que esse Pera Manca se andasse na casa dos 8-10€ passava para a tabela dos aprovados? É que tenho cá uma de 07, e estou-me a assustar. afinal sempre é um ikon. O que vale é que foi oferecida...

Abraço.

PS: Belo Pargo, qualquer dia temos de rachar um. Parábéns sobre o post de baixo

Pingus Vinicus disse...

Pedro, não tens que te asustar, dado que cada garrafa tem uma história. Neste caso a história foi muito fraca, não quer dizer que a que tens esteja no mesmo estado.

Agora, temos é de reflectir é se o preço que anda a ser vendida tem correspondência com a qualidade do vinho.

Um forte abraço

Para que Serve? disse...

Amim interessame mais esse pargo bem tostado que a pera manca...

mas de longe!!

Raul Carvalho
http://vinhosdasemana.blogspot.com/

João de Carvalho disse...

Pedro, o 2007 é muito melhor que o 2006. Não vamos confundir anos diferentes, 2006 foi mau muito mau e o resultado foi o que se constatou, já o 2007 a conversa é outra.

Quanto ao estado da garrafa que levei... foi comprada ao produtor e esteve até ao dia da abertura numa cave climatizada a 12ºC. Portanto o problema não é da garrafa mas sim do vinho.

Pedro Sousa P.T. disse...

Caro amigo João, sendo assim fico mais descancado. Estou a pensar em a abrir dia 31/5, é quando faço anos de casado. Depois da teu esclarecimento, certamente não vai servir para tempero.

Abraço

Rui A.Teixeira disse...

Que me perdoem os nossos amigos gorumets, sei que são apologistas destes requintes, mas meus caros enófilos é sempre penoso ver uma coisa destas. Não tenho duvida que, vindo de vós, esta foi, para este Pêra Manca, a melhor forma de degustá-lo, também já participei nalgumas destas excentricidades, o resultado, este é quase sempre o melhor. O Pargo deve ter ficado excelente, “em jeito de brincadeira” com um ligeiro travo a Alentejo.

arlindogarden disse...

Gostava de provar o Peramanca ... Qual o melhor ano ?