domingo, Julho 04, 2010

Vértice e Terra - a -Terra no Ritz

No pretérito dia 30 de Junho, Celso Pereira, juntamente com a sua trupe (Jorge Alves e Pedro Guedes), esteve no Ritz para dar a conhecer ao povo, algumas das suas novas colheitas. Espumantes, Brancos e Tintos das Caves Transmontanas e Quanta Terra. 

Num estilo leve, cheio de palavras simples e perceptíveis, fomos ouvindo os acordes dos mestres. Gostei da forma como a actividade foi proposta. As mesas redondas apelavam à interactividade entre e provadores e enólogos. 

A série de provas começou com o Espumante Rosé 2009, avançou com o Espumante Gouveio 2005 que cada vez está mais conseguido, mais complexo, mais apurado. Mudou-se de agulha e enfiram-nos no copo o Terra-a-Terra Reserva Branco 2009. Um vinho, dos nossos dias, que podia ser de qualquer recanto do mundo. Coberto de tropicalidade, exuberante e torneado. Ideal para convencer uma mulher.

Na mudança da cor, o primeiro a ser testado foi o Terra-a-Terra Reserva 2007. Um tinto limado, de fácil agrado. Um estilo, moderno, que irá satisfazer uma carrada de gente. O último a prestar provas, o Vértice Colheita 2008, revelou um carácter, talvez, mais duriense, mais genuino, mais nosso. Deu, indubitavelmente, mais luta.
Antes de levantar ferro, fica a convicção, reforçada, que a ideia primeira destes homens é oferecer vinhos com arte para agradar logo à primeira vista. Quem consegue criticar? Eu, não!

4 comentários:

Hugo Mendes disse...

Já o disse, mas nunca é demais repetir! O Celso é o meu enólogo preferido!

Pingus Vinicus disse...

Hugo, e porquê?

João Barbosa disse...

bem, ele é bem disposto e bem simples. Gosto muito dos vinhos dele.

Hugo Mendes disse...

Porque é apaixonado! Porque faz diferenciado! Porque o trabalho dele trás frescura a este mundo saturado de receptuario novo mundista! Porque...Porque...Porque...