sábado, Fevereiro 26, 2011

Bom Karácter

Tal como as pessoas, dizem que os vinhos podem ter bom ou mau carácter. Ou, digamos, com fraco carácter, para ser um pouco mais cordial. Continuando a ajuizar por alto, e meio à toa, são aqueles que revelam carácter maleável, facilmente manipulável, umas vezes dizem sim, outras vezes afirmam não, que impacientam e exasperam a alma deste sujeito atoleimado.

Aqui com os vinhos, Tinto Reserva de 2007 e Branco Reserva 2009, a balança tende, sem margem para dúvidas, para o segundo. E recordando o percurso da VDS, o seu portefólio, foram, quase sempre, os vinhos brancos que ganharam a minha estima e, porque não, a minha admiração. Continua, por exemplo, em posição de destaque no meu álbum de recordações enófilas, o Castelo D'Alba Vinhas Velhas 2003. Vinho intenso, edificado com uvas retiradas de vinhas com mais 70 anos, e que a débil memória não me atraiçoe, da zona de Freixo de Espada a Cinta (canto que foi parte importante da minha formação, da minha estruturação como homem).

Posto isto, apraz-me dizer que temos dois vinhos do Douro, está lá a sua marca, coerentes com a prática da casa. Bem trabalhados, de fácil empatia, consensuais e disponibilizados a preços cordiais. Aqui para o caso, e mais uma vez, o branco ganha o mano a mano com o tinto. Tem, efectivamente, Karácter mais forte.

Post Scriptum: Vinhos disponibilizados pelo Distribuidor. 

Sem comentários: