quarta-feira, fevereiro 16, 2011

Quem é ele?

É o reduto de um produtor. É o local onde idealiza as próximas tiradas, onde magica no que vai fazer na próxima colheita. Da cabeça dele saíram alguns dos vinhos mais marcantes da minha vida como enófilo. Durante muito tempo, segui-lhe todas as pegadas.

Dobrado o ano de 2000, e sem qualquer razão aparente coloquei de lado, fui esquecendo, quase desprezando, o que surgia das mãos deste homem. Parecia que, eu, andava meio desencantado. Suspirava pelas colheitas antigas, aquelas dos anos 90, do século passado. Vinhos para aprender e ensinar, por vezes ingénuos. Em alguns casos, autênticos produtos da natureza. Francos, duros e de feição camponesa.

Agora, e apesar da distância que ainda existe entre mim e os vinhos dele, é impossível esquecer o papel que desempenharam na sua terra. Outros, depois, começaram a correr atrás.

6 comentários:

Anónimo disse...

Caro Pingas,

com o tempo tenho a certeza que voltas aos vinhos de pinhanços.

Abraço

JC

Pingus Vinicus disse...

JC,
creio que sim, creio que sim

Abraço

Antonio disse...

Local que conheço bem.
Amanhã voarei para bem perto.

Pingus Vinicus disse...

António metes inveja, muita inveja a este homem!

Rui Lourenço Pereira disse...

Desligaste-te do Álvaro desde 2000?!?!?!? Já lá vão 11 anos. Ainda vais a tempo de voltar.

Pingus Vinicus disse...

Pois, quando calhar!