sábado, junho 02, 2012

Casa de Saima, a Sequela

Este post é na sua essência a sequela deste, porque na mesma tarde, noite e madrugar, foram também bebidos, no sentido literal do termo, mais três vinhos. Foi, ao fim a cabo, mera ocasião para desfrutar um petit tête-à-tête entre Bairrada e Dão. Parece-vos mal?


Os vinhos, engarrafados e rotulados para o propósito, encaixam naquela faixa pecuniária que não passará, creio, dos três euros e cinquenta cêntimos. Vinhos, rosé, branco e tinto, talhados para um desfrute descomplicado e sem rococós despropositados.


Recordando o branco, e porque tinha estaleca suficiente, acho que merecia (e bem) o título de Reserva.


A título pessoal, e porque ando com os níveis de indulgência baixos, resta-me lacrar este auto com uma vulgar recomendação: Que se bebam, despreocupadamente, sem rodeios, mas com respeito!

1 comentário:

Copo de Salto Alto disse...

Olha... Acabei de consumir um Casa de Saima Colheita Branco ao almoço :) Gostei do vinho e, pelo preço, parece-me uma aposta mais que segura. Para além do vinho ( o que querem? Sou mulher.), o rótulo está apelativo e emana uma frescura que, em certa medida, também alicia a sua compra "no escuro".