sábado, abril 20, 2013

Domingos Soares Franco: Verdelho

Mereço, parece-me, uma palavra de agradecimento da vossa parte ;) Olhei para o registo de actividade, aqui, neste blog que vocês tanto adoram, eu sei disso ;) , e constatei que estou inactivo desde terça-feira, o que quer dizer que não vos maço algum tempo. Terão sido, certamente, dias que apreciaram devidamente. Estou certo disso.



E chegados a sexta-feira, o tal dia que o povo deseja, para poder cair na borga, no desregro, no exagero. Com a comida e bebida a rolarem em ritmo acelerado e em quantidade. 


E por que os dias estão quentes, o desejo pelos brancos aumenta exponencialmente. Legumes, peixe, saladas, temperos ligeiros e vinho branco. Muito vinho branco. E depois de ter começado a série com este vinho, continuo a saga Colecção Privada Domingos Soares Franco.



E este Verdelho surge-nos intenso e tenso, fino e longo. Perfumado com impressões vegetais, com a fruta domada, evitando que este vinho se torne chato e monótono. Um branco que liberta bons cheiros, que larga pela boca sabores frescos e refrescantes. E porque já falei de mais, já botei prosa a mais, resta-me, em jeito de súmula, dizer que é vinho para repetir. Sem dúvida.

Post Scriptum: O Vinho foi oferecido pelo Produtor.

3 comentários:

Fernando C. Santos disse...

A última garrafa que comprei, o vinho estava "passado". Já tenho uma boa colecção de "condenados", desde um Monte Cascas Branco, até (pasmem!) a um Poliphonia Signature. E chamos-lhes "condenados", porque são mesmo condenados ao ostracismo. Nunca mais! Temos pena...

Pingus Vinicus disse...

Fernando era desta colheita?
Sobre azares com vinhos, olhe que já tive muitos, mesmo muitos ;)

Anónimo disse...

Caro pingas.
Sem dúvida que é um pecado estar tanto tempo sem nos dizer nada. Senão fosse facto de ter estado tão doente juro que já tinha reclamado bué. (Estou a brincar). Sim com este tempo por caso tenho comprado mais dos brancos (ainda não provei nada desta colecção, mas estou ansiosa). é que ainda estou a dar cabo dos verdes que uns amigos meus trouxeram-me do norte e sozinha leva algum tempo(Iol). È bom te-lo de volta.Alda