sexta-feira, maio 24, 2013

7 Capelas

Irei escrever à toa, sem qualquer objectivo preciso. Irei colocar palavras aqui e acolá para ir enchendo o caderno de pauta, tal moçoilo na escola primária. Vou enchendo as linhas, com palavras e mais palavras até encontrar assunto que valha a pena aprofundar. E enquanto não surge nada de fulcral interesse, bota-se mais uma palavra. É a chatice de ser sócio único e administrador executivo de um presumível blog de vinhos. Tais funções vedam, muitas vezes a capacidade de mudar assunto. Tornando-se, em alguns momentos, castrador e bloqueador da produção criativa.




Mas o que tem que ser, tem que ser. Que se diga, então, qualquer coisa, sobre o vinho: é vinho branco, da Beira Interior (Pinhel), com vincada personalidade, com corpo largo, com estrutura ampla, que surpreendeu, que fez franzir o sobrolho em jeito de aprovação.

3 comentários:

Anónimo disse...

caro pingas
É nesta alturas que os melhores textos saem do teu teclado e sem dúvida são os meus favoritos.Alda

Emilio disse...

Caro Rui,
Pela proximidade a Salamanca (fica aínda mais perto que o Dâo lol), os vinhos de Baraças sâo uma opçâo que tinha pensado experimentar. Visto que já conheço outros produtores na regiâo -Casas Altas, Gravato, Vale de Esgueva..., achas que é recomendável incluir Baraças nessa "Rota Figuera CR-Pinhel-Meda"?
E para além disso, conheces os outros vinhos de Baraças? Se assim for, qual é a tua opiniâo?
Abraço, amigo.

Pingus Vinicus disse...

Olá Emilio sou sincero contigo, sei pouco sobre os vinhos da Beira Interior e então sobre os vinhos de Baraças não conheço nada.
Abraço amigo