domingo, julho 28, 2013

Quinta da Nespereira Vineaticu

Em plena Silly Season, pouco há para dizer e pouca vontade existe para detalhar qualquer opinião. Tenta-se, esforça-se, mas a porra da cabeça não dá para mais. Agudiza-se o estado de letargia mental que (me) assola sistematicamente, dia após dia, semana após semana, mês após mês.


Por estas alturas, ainda calcorreio terras abaixo do Tejo e por isso vou riscando na parede da cela, os dias que faltam para dar o salto para mais além.   



E por que tarda a chegar o dia, socorro-me de vinho da terra. Socorro-me dele, para injectar forças e ânimo para sobreviver aos derradeiros dias.


Vinho que gosto, que aprecio, pelos motivos mais inexplicáveis, pelos motivos mais emotivos. E pouco importa, se daí vosso lado, fiquem embuchinados, saturados da constante ladainha que imprimo aqui. Quis beber mais uma vez, amizades, emoções e recordações. É que assim, acreditem, vai ser bem mais fácil, ou menos penoso, sobreviver aos últimos dias cá em baixo.

3 comentários:

João Rato disse...

Vineaticu em grande relevo. Qual o significado?
Será que esteve em madeira de vinático, madeira com origem no Brasil e que há um século era frequente entrar na composição das grandes dornas? O Pera Manca sai sempre das mesmas dornas...
Cumprimentos

Antonio Madeira disse...

Tb vou riscando os dias na parede da cela...

Emilio disse...

Segundo a minha opiniâo, Rui, terás motivos inexplicáveis para gostar deste vinho, mas também terás um motivo perfeitamente explicável: é um vinho belissimo. E com uma RQP "pouco melhorável". Vamos, amigos, vamos, que as férias no Dâo já estâo perto!