sábado, julho 20, 2013

Vinha Mãe

Primeira nota que me apraz fazer: as fotos estão miseráveis. Nunca foram boas, é um facto, mas estas saíram particularmente más. Mas para o assunto em causa, não tinha melhores, não tinha outras que servissem o propósito.


E hoje, como quase sempre, não vou falar do vinho. Irei falar da Mãe. Simplesmente da Mãe, da raiz que sustenta todo o homem. Sem a Mãe, sem o amparo da Mãe, o homem fica, tal cria perdida no meio da selva, à mercê de tudo e de todos. 


Sem a Mãe, os chacais aproximam-se de forma temerária, sem qualquer receio, medo ou pavor. Rodeiam o homem, massacram-no, ferem-no.


Basicamente, sem a Mãe, qualquer homem fica fraco, débil e sem Norte. Costuma-se dizer que fica ao deus dará.

3 comentários:

Anónimo disse...

És o máximo como sempre.Visito-te todos os dias. Alda

Pingus Vinicus disse...

Thanks! ;)

Fisiopraxis disse...

Se não querias falar do vinho porque raio colocas aqui fotografias, ainda por cima, como dizes, más?