sábado, novembro 16, 2013

1978

Olhava para a garrafa e pensava pra comigo: o que devo dizer? Sei lá. Não conseguia fixar-me no que tinha pela frente. Tinha a cabeça noutro lugar, noutros sítios. Não estava concentrado. Não estava e nem queria. Queria pensar, apenas, no que estava a pensar. E o que estava a pensar, apesar da garrafa, não estava ali. Estava noutro lugar, não muito distante, mas estava noutro sítio, noutra paragem.



E noutra paragem lá fiquei. Restou-me, por isso, continuar a beber o vinho, enquanto os outros, mais concentrados no que estavam a fazer, diziam mil e uma coisas sobre o vinho. Eu, porque não estava lá, apenas escutava, em silêncio. E bebia, pois claro.

Sem comentários: