terça-feira, outubro 14, 2014

Casa de Saima: do Tonel 10

Simplesmente, e usando pouquíssimas palavras, arrebatador. Em discurso simples, sem qualquer rodeio, sem qualquer vai não vai, sem isto e aquilo, estive perante um grande vinho. Um vinho que marcou a minha noite e o meu momento. Um vinho que fez parar o tempo, que ajudou a colocar algumas agulhas no lugar. E isso é que (me) importa.


Não sei se é clássico, moderno ou simbiótico. Na verdade, não quero saber literalmente de tendências, caminhos ou filosofias. Há muito que uns e outros me baralharam sobre o que era, o que podia ser e qual devia ser o caminho. Afinal tudo não passava ou passa de perspectivas, maior parte das vezes tolhidas por uma enorme cegueira.


Mas regressemos ao vinho. É efectivamente um vinho que merece ser colocado ao lado dos maiores da região, não para ser reconhecido, mas porque o merece por direito. Ser um par e não um pária. E acabo, literalmente como comecei: simplesmente arrebatador.

3 comentários:

Anónimo disse...

"e usando pouquíssimas palavras" - 11 linhas?!?!?!?

Rui Oliveira disse...

Incrivel como o Joao Paulo Martins dá apenas 15,5 pontos a este vinho no seu guia de 2015...duvido muito da nota do Joao...cheira-me que aquelas garrafas todas alinhadas á mesma apartir das 09:00 prontas a serem provadas para o seu livro não há-de dar boa coisa...digo eu!!!

Pingus Vinicus disse...

A sério? Não sabia (não compro guias de vinho).