quarta-feira, fevereiro 04, 2015

Só quero um bom vinho

Estava para aqui em período de preparação laboral, em momento que antecede a labuta, vendo como encadear isto ou aquilo aos miúdos, se vou por aqui ou por ali, se insisto nas expressões numéricas per si ou se volto aos temerários problemas, quando dei comigo a dar uma rápida volta matinal pelas novidades do dia. 
No meio de tanta coisa que fui observando, reparo que há uma mania ou uma tendência instalada, quase levada à saturação, na utilização dos conceitos relacionados com nicho, de pureza, de respeito, de tradição, de identidade, de regresso ao passado. Começo, não serei o único, presumo, a ficar baralhado com o que isto quer dizer, na verdade, com o que realmente quer dizer todo aquele conjunto de epítetos tão bonitos de soar ao ouvido ou de ler numa noite de paixões. 


Porque à medida que vou andando na vida, envelhecendo e relegando tanta coisa para segundo plano, começo a pensar que já não tenho cabeça para tanta nuance enófila. Só quero um bom vinho ao final do dia. Nada mais. 

2 comentários:

Rui Oliveira disse...

Rui penso que esta será então a melhor fase para apreciar um vinho, andamos sempre tao preocupados em encontrar o nectar precioso (que nao existe, existem momentos) e esquecemo-nos de verdadeiramente apreciar o momento em que abrimos e bebemos um vinho...depois de tanto vasculhar ás vezes chegamos á conclusao que os melhores vinhos sao os simples e descomplicados e que nos dizem algo...existem momentos em que temos o vinho fantastico mas nao bate certo com o momento e depois o momento fantastico e nao temos aquele vinho á mão!!!

Anónimo disse...

Traduza lá isso por miúdos que não percebi patavina.