terça-feira, março 17, 2015

Dos tempos da boémia

Episódios. Mais um. Alguns anos atrás em pleno interior beirão, era costume, regularmente, juntar-me com uma pandilha local e dedicar-me de corpo e alma a um conjunto de prazeres desbragados, em que a comida e a bebida eram colocados ao nível de um qualquer culto religioso. Tudo, quase, era levado ao extremo. O extremo era o que cada um aguentava. E o exemplo era la grande bouffe


A pândega era, portanto, levada a sério. Não se admitia ou admitiam personagens que ao coberto de regras de boa conduta, tinham o desplante de dizer que isto ou aquilo fazia mal. Gentes sem mácula, sem qualquer impureza humana. Limpos.


Os dias eram certos ou incertos. Era quando apetecia, quando havia necessidade ou quando, por alguma razão, ficávamos encolerizados com as ordens emanadas lá do ministério. Tudo era justificação para o mesmo. E o vinho, caramba, era sempre branco. Este. Bebia-se até não haver mais, naquele dia.

Sem comentários: