terça-feira, junho 02, 2015

Para além de...

E quando a paisagem, o mundo, é mais importante que o vinho. O vinho, esse, acaba por ser, apenas, mais um acrescento, um acessório que se torna, na maior parte das vezes, supérfluo e dispensável. Colocado num plano subalterno. 





Olha-se em redor e vê-se a vida, a nossa, o que fizemos e não fizemos, o que ganhamos e o que perdemos. Os avanços e os imensos retrocessos. Olha-se e pensa-se em tudo, em tanta coisa, menos no vinho que está dentro da garrafa que está ali ao lado. 





Percebe-se que há muito mais para além de uma catrefada de garrafas abertas, de provas e contraprovas. No fundo, perde-se o essencial, por causa de uma correria desenfreada para ver quem chega mais à frente. Começo a parar, a desacelerar profundamente. Apetece ficar quieto, sentado, sossegado e em silêncio. Longe do rebuliço de outros tempos, mas consciente que as recaídas podem acontecer.

Sem comentários: