segunda-feira, maio 02, 2016

Clássicos e Clássicos

Perguntas e dúvidas: O que são de facto vinhos clássicos? São clássicos por causa do número de colheitas? Por causa de um estilo? E o que é um estilo clássico? E quando é que um clássico deixa de ser clássico? Quando muda o estilo? O rótulo? 

Dizem que este vinho é um clássico.

Ou independentemente de tudo um vinho clássico continua a ser um clássico apesar de todas as actualizações mundanas que vai fazendo ao longo das diversas colheitas? Provavelmente a resposta será mais prosaica e directa do que pensamos: Chamamos de clássico, porque ouvimos este e aquele a dizer quer era clássico. E assim fica. 

7 comentários:

Anónimo disse...

Eu tenho critérios para clássicos:

- Rotulo igual com mais de 10 anos
- Perfil igual ano após ano
- Produtor de referência

Pingus Vinicus disse...

E que perfil?

JSP disse...

Para mim, que não sou o anónimo das 11h15, um clássico de uma determinada região terá de possuir um perfil que de há muito seja habitual nessa mesma região. Junto com antiguidade, qualidade e consistência.

Pingus Vinicus disse...

Eu inclino-me para um perfil, para uma abordagem que se mantêm fiel ao longo das colheitas.

Anónimo disse...

Na sequência do primeiro comentário, o perfil, tem a ver com a abordagem do produtor que se mantém fiel ano após ano.

João Pedro Carvalho disse...

Clássico sem ter em conta o perfil mas cuja marca tenha mais de 20 anos/colheitas no activo.

Pode-se ter um vinho de perfil dito Clássico mas cuja produção seja limitada apenas ao ano anterior.

Anónimo disse...

E quantas marcas têm mais de 20 anos/colheitas consecutivas no ativo?