segunda-feira, junho 20, 2016

Quinta da Murta: 10 anos de colheitas - 2005 a 2015

Num registo simples, directo, descomprometido e muito terreno, o Hugo disponibilizou a quem mostrasse interesse para tal, uma viagem ao longo de dez anos de colheitas: 2005 a 2015. Não se tratava, de todo, de um evento chique, social e com glamour. A ideia era tão simples quanto isso: quem quiser que venha, que vos ofereço isto. E quem quis foi, dando com toda a certeza por ganho o tempo perdido.


Num timbre profundamente pessoal, o Hugo foi reproduzindo peripécias de cada colheita, relembrando o que aconteceu neste ou naquele ano especifico, tentando enquadrar, da melhor maneira possível, cada um dos vinhos em prova.



E sem entrar em detalhes sobre cada um dos vinhos, o que importa referir é que estamos perante um produtor que será, e afirmo-o com toda a convicção, um dos mais consistentes de toda a região de Bucelas, com um portefólio que tem vindo a ser afinado paulatinamente, ganhando coerência em todas as gamas.
No entanto, tenho a sensação que ainda não foi dado o salto para a ribalta, sentindo que não existem ideias muito claras, por parte do produtor, sobre o destino a atingir. Se as tem, não são, de todo, perceptíveis. Os vinhos precisam, porque merecem, que seja construída uma estratégia coerente no que concerne à sua comunicação, promoção e venda. É que, por vezes, tenho a ideia que estou perante qualquer coisa que sei que existe, mas que quase não se vê.




Encerro esta resenha, registando a beleza da quinta, o enquadramento natural, tornando-a ainda mais especial, mais enigmática. Só é pena, faltar aquilo que falta: estratégia. Acho eu.

1 comentário:

Hugo Mendes disse...

Obrigado Rui pela presença e pelas palavras.
Em abono do produtor devo dizer que, numa região onde mais de 80% dos produtores se esforça por anular qualquer singularidade com que se possam valorizar os vinhos. Num pais pequeno, sem visão, sem orgulho ou necessidade de definir caminhos, torna-se muito difícil definir qualquer estratégia que seja.
Abraço forte!