quarta-feira, novembro 02, 2016

Desconhecedor me confesso!

Nas últimas horas, nos últimos momentos, fui confrontado, cara a cara, com uma realidade que julgava não existir. Desconhecimento meu. É impressionante o rol de conhecedores, de especialistas, de experts. Ui! É exponencialmente maior do que estava à espera. O universo de gente que sabe muito disto possui uma dimensão quase infinita. Fiquei estarrecido. Não tinha conhecimento. 
Tive medo. Tive muito medo. Assumo. Tomei consciência da quantidade de pecados que tinha cometido e daquilo que não sabia. Por isso, peço perdão a todos vós. Peço perdão pela soberba da minha opinião, de ter feito e dito diferente. De ter feito ao meu modo. Foi um disparate, eu sei.


Prometo que, na próxima vez, terei muito mais cuidado nas palavras que largarei. Irei ao vosso encontro. Ao encontro do que querem. Faço até melhor. Perguntar-vos-ei se posso fazer isto ou aquilo à minha maneira. Pedirei conselhos sobre o método, sobre a forma. Fica prometido.
E assim me prostro perante todos vós humildemente, confessando o meu enorme desconhecimento sobre assuntos que são da vossa inteira responsabilidade, pedindo desculpas por ter magoado alguém indevidamente, bem como pelas indisposições provocadas. 

2 comentários:

Rui Oliveira disse...

Muito bom,

Pois quando se está exposto perante a critica, todos têm opiniões bem vincadas sobre um tópico e que a diferença deveria ser algo bem aceite, mas parece que os vinhos e a critica seguem no mesmo caminho e neste caso 1 atrás do outro(vinhos feitos para as massas criticas) essas que tanto percebem, quando os melhores vinhos são aqueles que nos deixam sem palavras...

Parabéns pelo post! Muito bom.

Pingus Vinicus disse...

Rui, não pretendo que concordem com a minha opinião. De todo! Mas fui confrontado com uma imensidão de sábios, que de sábios tinham muito pouco, mas de presunçosos tinham muito.

Obrigado.