domingo, janeiro 08, 2017

É Bem Bom!

Um vinho de um produtor que não pertence à primeira linha da região, por razões que particularmente não me interessam escalpelizar. Podem estar relacionadas com a cor de olhos, cor da pele ou outra qualquer. Também esclareço, desde já e para evitar qualquer mal entendido, que me dou muito bem com a malta das Caves. Tenho relações muito próximas com fulano, cicrano e belcrano. Gosto deles, prontos. Estão feitos, portanto, os meus esclarecimentos. O jogo limpo. Ou não!



Posto isto, resta-me apenas dizer que este vinho, que não fazia a mínima da sua existência (refiro-me à colheita), é bem bom! Bem bom, mesmo. Um vinho que, perdoem-me o abuso, sugeria possuir um forte toque bordalês. Ficou bem dizer isto, não acham? Toque bordalês. Sempre dá outro nível aqui à chafarica. Adiante. O que importa dizer é que era (mesmo) bem bom e que deu um enorme gozo beber isto. Uma feliz descoberta.

Sem comentários: