terça-feira, fevereiro 14, 2017

Quinta da Ponte Pedrinha: A simplicidade do Dão

Epá malta e quando pegamos num vinho simples e ficamos completamente arrebatados com ele? Estupidamente surpreendidos. Um vinho que nos sabe à terra, que nos transporta para o lugar onde ele é feito. Quase que reproduz tim por tim uma porrada de cantos e recantos. É obra.


Caramba, como foi possível ficar completamente rendido, sem resposta, sem reacção, mas profundamente contente? Estava fresco, profundamente fresco, limpo, apetitoso, bem balanceado. É Dão! É Dão, meus senhores.


Só é pena que aparentemente as coisas pareçam tomar um caminho algo diferente de outros tempos.  Mas é a vida. Outras cabeças, outras sentenças.

Sem comentários: