sábado, Maio 06, 2006

Três Pingas do Douro

São três opções de vinhos do Douro
que se encontram disponíveis com facilidade
nas grandes superfícies.

Evel Grande Escolha 2001. Com 14% de vol.
Cor vermelha brilhante, mas não muito concentrada. Aromas vegetais a lembrarem esteva, musgo e caruma. Evolução para pólvora, misturada com chocolate, café e tabaco. Com o aquecimento do vinho vieram ao de cima a fruta vermelha, mas de cariz fresco. Boa complexidade aromática.
A boca esteve coerente com o nariz. Fruta, misturada com chocolate amargo e café. Perfil fresco, saborosa, com os taninos bem envolvidos pelo corpo. Final médio/longo que deixava um rasto a tabaco na boca.
Um vinho muito bem feito, vendido a um preço que não choca ninguém e que aconselharia ao meu melhor amigo! Preço a rondar os 15€.
Nota Pessoal: 17
Quinta da Pacheca 2003. Com 14% de vol.
Cor concentrada, quase opaca. Aromas com qualidade, libertando toques de fruta madura, aliada a sugestões vegetais que faziam lembrar alguma esteva e caruma. Com evolução no copo, surgiram impressões que me faziam recordar a casca de amêndoa. Num perfil robusto, mas algo monocórdico e chato, dado que sentia sistematicamente os mesmos aromas...
Na boca entrava com robustez, onde se fazia notar a fruta e onde se voltava a sentir um travo amargo que me fazia lembrar a tal amêndoa. Taninos macios, envolvidos pelo corpo. Acidez correcta e um final entre o médio e o curto, deixando um rasto algo vegetal.
Não o achei muito interessante, não me fez deixar de boca aberta, nem suspirar por ele. Igual a tantos outros que andam por aí... Mas reconheço que tem qualidade. Preço a rondar os 9€.
Nota Pessoal: 15
Quinta do Tourão Reserva 2000. Com 13,4% de vol.
Cor escura, com laivos roxos. Aromas iniciais de caruma de pinheiro, misturadas com fruta e compota. Mais tarde, surgiram notas de tabaco, café e chocolate em pó. Tudo num fundo vegetal e com alguma frescura. Um pouco rústico.
A boca era cheia, com sabores a fruta e compota, onde se sentiam os taninos ainda bem vivos, que conferiam alguma rugosidade e secura na boca. A acidez ajudava a manter uma agradável frescura. Bom final.
Não é um grande vinho, nem possuidor de uma grande complexidade. Mostrou que tem um perfil gastronómico, com apetência para acompanhar pratos com algum peso. Preço a rondar os 12€.
Nota Pessoal: 15,5

Sem comentários: