quinta-feira, Fevereiro 08, 2007

Antão Vaz&Arinto 2005, um branco de Borba

Como isto é um blog de vinhos (ou certo, não sei muito bem o que é), convém, que sejam lançadas por aqui umas notas de prova periódicas.
Um branco proveniente da Cooperativa de Borba. Há muito que andava para o encontrar, mas a tarefa estava quase a transformar-se numa demanda impossível. Se não fosse um amigo de berço alentejano, esta pinga não teria passado pela minha boca. Não é um vinho muito complexo, mas é muito agradável. Limpo de aromas, com algum equilíbrio e estrutura.
Inicialmente, os aromas pareceram-me um pouco presos pela madeira. Foi melhorando a sua intensidade à medida que ia despertando. Impressões de maçã ácida, salpicados por gotas de limão, eram adocicadas pela calda do ananás. Mostravam que havia mais qualquer coisa para oferecer. Na boca a baunilha, os toques amendoados tapavam um pouco a fruta, não dando muito espaço para ela respirar. A acidez conferida pelo arinto pareceu-me um pouco discreta. Mas à medida que o vinho foi abrindo, acabou por se colocar no devido lugar e ajudou, e muito, a refrescar o conjunto.
Seria interessante provar este vinho sem estágio na madeira e realizar um comparativo. De qualquer maneira, um vinho muito bem feito, vendido a um preço espectacular, capaz de embaraçar muitos outros bem mais caros. Nota Pessoal: 14,5

3 comentários:

Chapim disse...

Caro pingus, para mim é também um excelente vinho e RQP fabulosa!!

Juntamente com o Pegões Colheita Seleccionada e o Castelo d`Alba Reserva Branco são os meus 3 brancos digamos de combate para o dia a dia. Não há desculpas para se beber maus brancos em Portugal. Já cá temos muitos e bons e alguns imperdíveis!

Boas provas

Copo de 3 disse...

O Chapim já disse tudo :)

Blacko disse...

Apenas juntava o QUINTA DE PORRAIS 2005

Saudações enófilas
Blacko