domingo, maio 10, 2009

Muros Antigos Alvarinho 2008

Os cheiros eram maduros. A fruta apresentou-se com força. A mistura de cheiros ia desde a banana, o ananás, a pêra, a maçã, a manga, mais a laranja, a tangerina e o limão. O entrar e sair de frutas, era relativamente intenso e o limite quase que ficava na imaginação.

Surgiu no horizonte (não é a primeira vez que acontece) um curioso toque cerealífero que meteu o nariz no meio do pão. Flores de cor tendencialmente amarela intensificavam a presumível doçura do vinho. Algum mel fresco. Aqui e além um pouco de relva fresca e de mineral. Mas com uma veemência aquém da desejada por mim.
O sabor estavam atestado de fruta madura. Corpo com bom prolongamento. Bem envolvido, bem misturado, redondo e capaz de aguentar com pratos mais substanciais, mas a pedir mais acidez. Curiosamente, houve momentos (de alguma) monotonia que agudizaram com o aumento da temperatura.
Um alvarinho com um comportamento pouco mineral, menos vegetal e menos crocante. Um estilo cheio.
Fiquei (algo) confuso com a perfomance do vinho. A ideia que tinha dele era outra. De qualquer modo um belo vinho branco.
Nota Pessoal: 15

2 comentários:

Anónimo disse...

acabo de o provar...está TOP!!! n percebo esses comentários...Viva a Liberdade de expressão

Pingus Vinicus disse...

Vê-se também que não percebeu o que disse!
Ainda bem que está top. Ainda bem!

Viva a liberdade do anonimato!