sexta-feira, Junho 25, 2010

Discussão em The Wizard Apprentice. Participem!

Porque é um blogger, porque é uma pessoa que também gosta de discutir e porque, tal como eu, é um insatisfeito, façam o favor de ir até aqui e participem na conversa. Não se acanhem. Eu vou andar por lá, enquanto tiver, ou não, alguma coisa para dizer.


Estamos atravessar, julgo e desejo, um período de acérrima discussão sobre alguns assuntos. Será o principio do fim? Estaremos a descontruir? Estaremos a encerrar uma era e dar início a outra?
No final, talvez façamos um relatório sobre algumas ideias mestras.

4 comentários:

Assistindo com Atenção disse...

Anseio por esse relatório. Falta muita reflexão.

Hugo Mendes disse...

Muito Obrigado Pingus!

e o anónimo não quererá ajudar à reflexão?

OLGA CARDOSO disse...

Meu Caro Pingus, não terá sido certamente por acaso que te elegi para meu "parceiro" de certas "discórdias" mais acesas! Perdoem-me o afastamento momentâneo, mas de momento estou a banhos no Algarve e para além disso tenho ainda uma outra ocupação extra profissional que me rouba muito tempo - o Bridge.
Não obstante, o meu interesse pelos vinhos é também, e sobretudo, o meu grande locomotiv. Não me parece que estejamos ao pé do fim, nem sequer que caminhemos para tal. Bem pelo contrário!!! Não me sinto propriamente um padre António a pregar aos peixes...! Vejo, inclusivamente, um crescendo de interesse por parte de certos produtores neste tipo de plataformas de prova/critica. Não sei se estamos no bom caminho...mas sinto que estamos o podemos começar a construir algo nesse sentido. Darei notícias e contem comigo!

Pingus Vinicus disse...

Oi Olga, falava, talvez, do fim de uma época e, talvez, do início e de outra. Alguma coisa terá que mexer. Nem todos terão capacidade e vontade para mudar e dar o salto, mas sinto que não podemos continuar neste marasmo.

Ao contrário dos "estabelecidos" que não discutem puto, ao contrário "dos que estão instalados" que não reflectem sobre o seu papel, os que utilizam estas plataformas digitais têm que ter a capacidade para desconstruir, para reflectir profundamente sobre o seu papel no mundo enófilo. Tem que haver diferença.

Basicamente estou a desafiar, juntamente com o Hugo, aqueles que poderão eventualmente querer fazer alguma coisa de diferente e no final sentir-me orgulhoso por ter ajudado alguém a dar o salto.

Depois, gosto muito desempenhar o papel de "Advogado do Diabo".

Continuemos a discutir.