sexta-feira, abril 27, 2012

Touriga Nacional by Ponte Pedrinha

E porque sei qual é o chão que sustenta as cepas, este touriga nacional soube muito melhor. Na memória está, ainda, presente a expressão "(...) é o que a natureza dá. Não é preciso muito (...)" que Catarina largou com os olhos postos na vinha.


É vinho com uma simplicidade estonteante, com uma alegria que absurdamente julgamos já ser difícil de existir.


Como é possível, raios, ser vergado ao fim de tantos anos por um conjunto de atributos carregados de candura e inocência? É o preço pago pelo aburguesamento da idade. Ainda assim, peço-vos que fixem o nome.

1 comentário:

Anónimo disse...

Fotografia provocatória: a Matemática e o Vinho.

Rodrigo Freitas