quinta-feira, Dezembro 13, 2012

Explicit

Tal viciado, tal agarrado ao vício, e incapaz de estar calado, tive que vir ao púlpito, para uma breve homilia. Escutai, por isso, com enorme atenção e reflictam: Gostei (muito) deste vinho. Tem quase tudo e com quase tudo, merece que se fale (muito) nele e sem qualquer acanhamento ou pudor.


É vinho pouco moderno, evolutivo, com aromas e sabores que não se coadunam com coisas bonitas. É vinho oriundo da Serra de Mamede. 


O rótulo, cheio de informações, está (muito) bem conseguido e entretém qualquer pessoa, durante uns bons momentos. Detenham-se, por isso, a olhar para o rótulo. Tem um certo ar alienado, não tem? E viram a quantidade de informação que possui? E, no meio disto tudo, já esquecia o vinho: é muito bom.


3 comentários:

José Meirinho Esteves disse...

Provei há dias, muito bom! deu um grande baile a um douro e a um dão, mas teve a infelicidade de estar ao lado de um de Lisboa que o superou. O explicit é muito bom, mas o primeiro copo, acabado de sair da garrafa não o deixou perceber logo, teve de estar um bocadinho à conversa para se revelar!

Pingus Vinicus disse...

José Meirinho e podemos saber quem eram os outros vinhos?
Cumprimentos

José Meirinho Esteves disse...

O de Lisboa era um surpreendente "vinhas d'alem" e o Douro era um "murzelo". Acompanharam um queijo de azeitão e tostas, e só depois fui jantar, ... isto explica que não me recorde do 4º classificado, do Dão...