terça-feira, Fevereiro 05, 2013

Cortes de Cima: Chaminé Branco

Podem acreditar, ou não, o resultado é o mesmo, mas só bebi este vinho uma única vez. Já lá vão quase dois anos e foi aqui. De lá até cá, mais nada com o mesmo nome entrou pela minha boca. As razões, perdoem-me o bocejo da repetição, são as que são: nada de justificável. Resumem-se, apenas, a maluqueiras e snobeiras de aprendiz de escrivão.



Reportando ao vinho, sei que estão desejosos de ler algumas palavrinhas, dir-vos-ei que é branco que surpreendeu pela frescura, pelo corpo, pela estrutura. E calhou que nem ginjas ao servir de complemento a mais uma refeição de povo, grosseira e sem grandes cuidados no acabamento: Porco, massa, salada. Típica refeição de início de semana.





E o vinho, o tal que deu o mote a mais uma deambulação linguística, continua no copo e pelo que estou a ver irá fazer companhia durante os próximos tempos. E, sem qualquer favor, assumo publicamente que gostei. 

5 comentários:

Diogo Rodrigues disse...

É um vinho que não desilude e não complica. Como dizes ideal para refeições de início de semana sem grandes preocupações.

Pingus Vinicus disse...

Concordo contigo. O Cortes de Cima tinto é outro vinho que nunca desilude.

Antonio Madeira disse...

E verdade, sempre fiquei agradado com o Cortes de Cima tinto normal. Um vinho fino.

Pingus Vinicus disse...

São vinhos essenciais para o dia-a-dia. Nunca falham.

Rui Oliveira disse...

Provei o Cortes de cima branco e é uma delicia, num dia de sol nem precisa de acompanhante...vai sozinho. Tenho que redescobrir a gama cortes de cima porque me aliei um pouco, mas sempre achei vinhos extremamente gastronómicos e a primar pela frescura num alentejo quente :)