segunda-feira, abril 17, 2017

Foram com muita sede ao Pote?

E prontos, saiu a primeira edição da Revista de Vinhos - A Essência do Vinho e uma coisa saltou logo à vista na capa, para além do material de que é feita: deixou de ter o subtítulo Para Apreciadores Exigentes. Sendo a primeira publicação com outra equipa é quase impossível avalizar de forma sustentada o novo projecto, as suas ideias e opções que irão ser tomadas no futuro. Contudo, a sensação que tive ao passar os olhos pela revista é que há um longo percurso a fazer e eventualmente muitos ajustes para concretizar. Ainda assim, avanço com algumas considerações.
Para esta edição devia ter havido, acho eu, muito mais cuidado na escolha dos temas para os artigos de opinião e reportagens, o que cimenta a minha convicção, muito pessoal, de que alguns dos conteúdos publicados agora, já estariam feitos e preparados para serem lançados na extinta Wine. Estava à espera de bem mais. Ok, uma reportagem com Dirk Niepoort é sempre um trunfo, mas só isto? E a Jancis? Podia ter sido desafiada a escrever sobre outra coisa bem mais significativa. Parece-me um autêntico desperdício de recursos. Basicamente, procurei por conteúdos e não os encontrei. Esqueceram-se que a primeira impressão conta muito?



Fiquei com a profunda crença que a nova equipa editorial trabalhou este número, sem rever o que já tinha sido publicado na RV no passado, pois só assim se justifica que surja outra vez uma reportagem sobre a Bacalhôa. Seria mais um artigo que já estava preparado para sair na Wine? Quase apetece extrapolar para outras situações: será que alguns vinhos provados e classificados para este número, já o tinham sido para a Wine ou para a RV? Terá havido revisão de artigos, reportagens e notas de prova já publicados? Terá havido reflexão sobre eventuais confusões que possam surgir no leitor e no produtor? Ficam as minhas dúvidas.


Os selos de garantia, tipo Boa Compra, mantêm-se, sendo que agora temos um ?novo? que é o Altamente Recomendado que provavelmente terá migrado da Wine. As selecções Para a Mesa e Para a Cave também se mantiveram, bem como as escolhas pessoais de cada provador. Mudou apenas o grafismo que pessoalmente não me agradou. Uma questão de gosto. 
No que respeita a propostas de enoturismo, a recauchutada Wine ou RV, não sei como as adjectivar, não publica qualquer referência. Opção editorial? Mantém as colunas sobre restaurantes e respectiva classificação por itens. Creio que é outra migração da Wine, salvo erro. Reparei que temos páginas com receitas de culinária o que achei, no mínimo, curioso. 


Bom, resumindo e baralhando e descontando o facto de estarmos perante algo novo com nome já antigo, tenho que partilhar que estava à espera de mais. Muito mais. No essencial o que vi foram flashes da revista Wine (que não compro há muito tempo), com o aproveitamento de alguns gadgets da RV, o que é manifestamente muito pouco para quem ambiciona ser um projecto de referência. Para já, diria que a revista Wine foi apenas forrada com a capa da RV. E como tal não basta. 
Sem saber como vai ser a primeira edição Vinho - Grandes Escolhas, apetece-me dizer que o arranque da RV - A Essência do Vinho foi muito titubeante, confuso e que não nos deixa perceber qual será o seu verdadeiro foco. Ouço falar no mundo Lusófono. 
Parece-me que deram 45 minutos de avanço aos seus concorrentes, o que lhes pode sair bem caro. É caso para dizer que foram com muita sede ao pote. Aguardemos, pois então, pelas cenas dos próximos capítulos. E eu que já não comprava uma revista de vinho há uma porrada de tempo? Sim senhor...

2 comentários:

francisco cunha disse...

Olá Rui,
Gostei de ler o seu oportuno comentário que assino por baixo.
Eu, quando li a nova Revista de Vinhos, disse para mim "que saudades da antiga!".
Abraço solidário,
Francisco
enófilo militante

Pingus Vinicus disse...

Olá Francisco, obrigado pelo seu comentário, de facto também tive essa impressão. Um grande abraço!