terça-feira, junho 05, 2018

O Pargo

E o pargo, meus amigos? E o pargo? Mulato ou legítimo? O primeiro mais modesto no preço e de acesso mais fácil. O segundo menos modesto, aparentemente mais requintado e nobre.



Tenho optado, nos últimos tempos, por peixes menos nobres, no que isto quererá dizer. Dentão, rascasso, cantaril, salongo, cavala. Vendidos a preços muito mais cordatos que os galácticos sargos, gorazes, chernes, garoupas, salmonetes (adoro), pregados ou linguados do mar. Até o popular peixe-espada branco começa a aproximar-se dos lugares cimeiros, no que respeita ao preço. No outro dia, reparei que estava a catorze euros o quilo.
Aprecio cada vez mais o pargo mulato, em detrimento daquele que é legítimo. Mais suculento, menos seco e menos neutro que o seu irmão vermelho. Depois a minha miudagem não enrola este peixe na boca. Não fazem aquelas bolas de proteína, que mastigam tempos a fio. Logo, os meus nervos agradecem.



Preferencialmente assado no forno, acolitado com poucos ingredientes. Bastante alho, duas a três ervas aromáticas. As que tiver no frigorífico ou no quintal. Tudo enfiado na barriga e nas guelras. Sal, azeite e muito vinho branco ou espumante. Aliás, uso cada vez mais o espumante, como substituto de vinho branco. Mas seja qual for a opção, despejo quase sempre meia garrafa. O Pêra Manca já teve essa honra.
Depois é assar durante o tempo necessário, apenas para cozer, sem deixar secar. É que não aprecio peixe muito cozinhado, seja nas brasas ou no forno. Basicamente, é controlar o tempo para que o sangue desapareça da carcaça e já está.

Sem comentários: