terça-feira, agosto 28, 2018

Para Vocês!

Meus queridos amiguinhos, venho por este meio pedir-vos, por favor, que escrevam coisas assim pó diferentes. Não é preciso muito. Só gostaria que fossem, apenas, coisas que divertissem, que fizessem rir, que fizessem chorar. Que irritassem, que angustiassem. São desejos. Meus.
Por favor, andamos nisto há tantos anos, que não faz sentido, para gajos como nós, com tantas litradas de vinho no bucho, andar a dizer e a fazer o mesmo de sempre. Contem-me histórias. Falem-me de acontecimentos. Partilhem aventuras. Nem que sejam só para mim. Sim, sou um gajo egoísta. Síndrome de filho único e mimado, da pequena burguesia, que sempre lhe limparam o rabo. 


Não, não quero repetir os mesmos assuntos de sempre, nem atacar ninguém. Ando cansado e com o pavio tão curto, que (quase) me afastei, como medida profiláctica, do mundo. Porra, exceptuando o meu pasquim, não consigo, quase, ler mais nada. Sim, eu sei, tenho um ego gigante e pratico muita onanização. 
Mas tirando o Pedro Garcias, que independentemente do que escreve, quase ninguém anima a malta. O homem tem tomates. Está-se a obrar para o que pensam dele e assume que é falível. Gosto (muito) disso. Às vezes, junta-se o Hugo Mendes, outro destrambelhado, na confusão. Atira-nos com umas cadeiras ao lombo, para acordarmos. Ambos fazem vinho e a malta ainda o compra. É obra! De resto, canudo, bocejamos de felicidade e de alegria. 
Pergunto-vos: precisam disto para viverem? Para se alimentarem? Para dar de comer aos pintainhos que têm em vossa casa? Contudo, compreendo, pois todos nós damos o cu e cinco tostões para andarmos na crista da onda. É humano. Eu também sou assim.

2 comentários:

Hugo Costa disse...

Uma carta com muitos destinatários...Gostei do que li fez-me pensar!

Pingus Vinicus disse...

Obrigado. Sim, temos de pensar e muito!

Que pretendemos? Que queremos? Que fazemos?

Um grande abraço!