quarta-feira, janeiro 02, 2019

O Castelo

Deixei-vos em paz durante alguns dias. Dêem alvíssaras. A maturidade da idade tem-me feito bem. Mais solto, mais livre, mais despegado de muita coisa e de muita gente. Digamos que, sem querer, foi-se (fui) separando o essencial do dispensável. Portanto, nem tudo é mau. Mas voltemos às minhas histórias.


Sou pai de uma tríade de raparigas. Não são melhores que as outras. São as minhas filhas e esta condição basta-me. Não são super-inteligentes, nem um exemplo de bondade. Elas são humanas, com todas as características inerentes à sua espécie. E assim espero que continuem. 
No outro dia, a do meio pediu-me para a ajudar e acompanhar no seu último desiderato. A montagem de um castelo de lego. Digo-vos que não acatei logo o seu pedido. Não me apetecia. Estava envolto naquela bruma que geralmente me acompanha. A custo, assumo, fui até ela.


Peça a peça, fui partilhando o prazer de construir e assistir à execução de um projecto. O de um Castelo de princesas e príncipes. Cheio de cor e de outras coisas que as crianças acreditam. Sonhos. Quando chegámos ao telhado, quando colocámos aquele icónico telhado cónico na torre altaneira,  festejei. Com algo simples, com algo normal. Com algo humano. 

Sem comentários: