sexta-feira, Agosto 19, 2011

Rosé 2010

Nada como um rosé, barato, para largar vagas refrescantes pelo corpo acima. A elevada secura, combinada com o marcado cariz vegetal, e a fruta doce manietada, fazem dele um bom companheiro. Se lhe juntarmos motivos campestres, sem refinamento, pouco dados a salamaleques, enriquecidos com um pedaço de pão, umas rodelas de chouriça, gradas, aparelhadas por umas azeitonas e temos o cenário montado. Resume-se, tudo, a um jogo de partilha de sensações inocentes e descomplicadas.

Este, Rosé da Colheita de 2010, pareceu-me indicado para a hercúlea função atribuída. Pedem por ele dois euros. Barato demais? Sem pedigree? Que seja, não fico chateado.

3 comentários:

Miguel Pereira disse...

Rui, fiquei curioso.

Consegues trazer 1 ou 2 garrafitas?

(vê o teu e-mail do pingas...)

Abraço

pedro disse...

Boa tarde,
Será possivel dizer qual é o vinho?
Obrigado.

Pingus Vinicus disse...

Tem link, estimado Pedro :)

Carregue nele que ficará a saber :)