domingo, junho 24, 2012

Redoma

Mantendo o rumo traçado aqui, incapaz de prosar de forma eloquente, vejo-me, mais uma vez, sem ideias, sem imaginação. Num vazio aflitivo, delicerante, encontro-me cerceado pela ausência de vontade. Bato, em ritmo sem sentido, com os dedos na mesa. À espera...


Bebe-se um copo atrás de outro, esvazia-se a garrafa, e desta vez o álcool não consegue mais do que entorpecer, ainda mais, o cérebro. Não sai puto.


Dentro de uma Redoma de vidro fosco, tenta-se olhar para o futuro que teima ser difuso e enviusado. Que se continue, pois então, a beber.

Post Scriptum: A garrafa, e o vinho que era rosé, foram oferecidos pelo Produtor.

2 comentários:

Anónimo disse...

E fico sem perceber o que achaste do vinho...

Pingus Vinicus disse...

É importante para ti a minha opinião? Esquece lá isso.
Se queres mais algum esclarecimento é só seguir para o site mais próximo.