terça-feira, janeiro 20, 2015

Quinta da Fata: Por causa de um vinho

Tem sido por causa de alguns vinhos que criei, estabeleci laços de cordialidade, de franqueza, de cumplicidade com algumas pessoas, com alguns produtores e enólogos. O vinho, esse, a partir de determinada altura deixou de desempenhar o papel principal. Deixou de ser o elo de ligação, passou a ser, apenas e apenas, algo perfeitamente dispensável, algo que podia ser colocado num plano subalterno. 
 
Na altura, já lá vão uns valentes anos, era um perfeito desconhecido. Não fazia ideia do que era e de quem era o seu patrono. Por causa deste vinho, um simples vinho, vive-se uma relação de profunda amizade com o produtor.
E passados onze anos, é um vinho que mostrou força, complexidade, profundidade em aromas e sabores. Um vinho que mostrou classe, sobriedade que me deixaram impressionado.
Em sentido oposto e curiosamente foram as pessoas, os indivíduos que me afastaram de alguns vinhos. Bloquearam a capacidade, a vontade em prová-los, em simplesmente bebê-los. Na verdade, alguns ainda os tenho. Estão lá, num canto, no seu lugar junto aos outros, até que emerja ou desapareça da frente, um dia, o facto ou os factos que vedaram a vontade. Eles, os vinhos, não têm culpa, mas eu também não tenho.
 

1 comentário:

Daniel Guedes disse...

http://osmeusvinhoseosmeuspratos.blogspot.com/