quarta-feira, Dezembro 10, 2008

Quinta do Portal (Porto) Vintage 2006

Viro um pouco a agulha e meto novamente a faixa dos Vintages.
Jovem, com cor retinta (como é normal). Espesso no aspecto.
No copo encontrava-se uma interessante quantidade de aromas, que iam vagueando por entre as flores e mato. Boa e saudável dose vegetal. Caminhou, depois, com destino à fruta madura, com amoras e ameixas a marcarem forte presença. Enriqueceu, e ainda bem, com especiaria, com destaque para a canela e para o cravinho. Muitas ervas secas (tomilho, alecrim, carqueja). Uma breve passagem por sensações químicas e minerais deram-lhe a necessária austeridade.
O paladar era razoavelmente amplo, com boa porção de sabores. Fruta estava bem combinada com a canela e o vegetal (que se notou, com mais evidência, no final de boca). Bom nível de frescura (que surpreendeu), com os taninos a comportarem-se de forma bem educada. O final, para não destoar, deixava na boca coisas saborosas.
Não sendo um Vintage de primeira linha, é um Vintage que consegue desafiar o nariz e a boca do enófilo. Está prontíssimo a beber (se calhar destinado a ser bebido jovem).
Assumo, aqui, que prefiro beber vintages novos, pela simples razão de não ter tempo para esperar pela evolução deles. Perdoem-me aqueles que pensam o contrário. Este custou-me menos de 20€. Nota Pessoal: 16

5 comentários:

Nuno de Oliveira Garcia disse...

Meu caro,

Tem piada, provei-o faz 2 dias... não gostei muito.

Notei bem as sensações químicas e minerais que escreves mas não as apreciei! Anda longe de um vintage a sério... mas, claro, o preço é convidativo!

NOG

Pedro Sousa P.T. disse...

Este vinho veio à mesa no jantar de Natal da malta do vinhoacopo.
Pena é não teres lá estado para partilhares a tua opinião pessoalmente conosco.
Eu também gostei bastante, apesar da minha "mísera" sabedoria em vinho do Porto.
Abraço

Pingus Vinicus disse...

Gostei. Redondo, afinadinho e bem domado. Sou bem.

Pedro, não tenho tido oportunidade para ir aos encontros do Vinho a Copo, com muita pena minha.

Um abração

AJS disse...

Também sou da opinião do Nuno. Provei no jantar de Natal e achei que estava muito "rustico". Os vintages têm destas coisas alguns atravessam periodos dificeis, mas normalmente mais tarde quando têm cerca de 20 anos o que não é o caso.Abraço
AJS

Pingus Vinicus disse...

Realmente uma das belezas do vinho é podermos discordar e falar abertamente sobre o assunto oq ue muitas vezes não acontece em Portugal. Mas continuo na minha, pareceu-me um vintage já feito, com a necessária dose de rusticidade (como vocês dizem)e a dar uma boa prova.

E após "reflexão enófila" tornei-me num adepto de Vintages Novos. Não sei se terei paciência para deixá-los envelhecer (para não falar da chamada fase estúpida que pode durar uma "eternidade").

Um abração